Biometano e os Transportes na COP28

O autor destaca pontos importantes sobre os resultados da COP28, que ocorreu em Dubai/2023.

Biometano e os Transportes na COP28
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Comunidades & Produtores de Biogás
Agroenergia & Biogás

Biometano e os Transportes na COP28

Cícero Bley Jr | Na primeira semana de janeiro 2024, circularam informações sobre os resultados da COP28 de Dubai/2023. Destaco aqui como referência o documento COP 28 UAE da Fundação Getulio Vargas (dez 2023), que analisa os resultados do Global Stocktake, entre outros os Pontos Chave para conter o aquecimento global em relação aos níveis registrados em 2019, a necessidade de reduzir em 43% as emissões de Gases do Efeito Estufa até 2030 e de reduzir 60% destas emissões até 2035. E ainda reconhece a necessidade de movimentar US$ 5.8 a 5,9 bilhões até 2030 para os países em desenvolvimento atingirem suas metas de redução. Isto com base em fatos ocorridos na COP:

  • 110 estados-signatários assinaram o Acordo Global Renewables and Energy Efficiency Pledge comprometendo-se a triplicar a produção de energias renováveis a nível global e posicionar o princípio de eficiência energética como pilar de políticas de descarbonização.
  • os combustíveis fósseis constaram do texto final a partir da reconhecida necessidade de realizar a transição energética dos combustíveis fósseis de maneira justa, ordenada e equitativa. O texto final não menciona a “eliminação progressiva” dos fósseis, mas houve consenso quanto a eliminação gradual dos subsídios ineficientes aos fósseis, endereçada a uma transição justa e a superação da pobreza energética.
  • as companhias do petróleo também tiveram forte participação nos debates. 52 delas, com capacidade de produzir 40% do petróleo global assinaram a Carta de Descarbonização do Petróleo e do Gás, que estipula operações neutras em emissões de carbono até 2050.

O Global Stocktake estimula a intensificação de investimentos para o uso de tecnologias de baixa emissão de carbono a serem aplicadas nos ciclos de produção de energias renováveis, nucleares e hidrogênio, como soluções para emissões de carbono em setores de difícil abatimento. Enfáticas recomendações para a redução de emissões de carbono a nível global, sobretudo as relacionadas com emissões de metano (1 m3 de metano é igual a 21 toneladas equivalentes de carbono) até 2030.

  • Incentivando que os estados-signatários reduzam as emissões do setor rodoviário, estimulando a transição energética neste segmento.
  • Promovendo iniciativas que estimulam a transição energética para o hidrogênio, com aberturas ao comércio transfronteiriço entre alguns estados.

O Brasil 

  1. anunciou a sua adesão ao Global Renewables and Energy Efficiency Pledge
  2. aderiu a iniciativa global para reconhecimento do sistema de certificação de Hidrogênio e
    • aderiu ao Global Offshore Wind Allience (GOWA). 
    • lançou as iniciativas Fundo Arco para Restauração de Áreas Degradadas e o Plano de Transformação Ecológica
    • estabeleceu os seguintes acordos bilaterais: Brasil-Reino Unido, para desenvolvimento e geração de energias renováveis a partir de um hub de hidrogênio

O BNDES firmou com o Banco Mundial um acordo para desenvolvimento de financiamentos de toda a cadeia de valor do hidrogênio de baixo carbono.

Resumindo, a convergência das decisões mundiais mencionadas em torno da necessidade de redução de emissões de gases do efeito estufa a curto prazo (2030) entre outras medidas, desperta o interesse específico sobre o biometano como protagonista do tema transporte, ou “setor rodoviário” como mencionado no documento da FGV. E por estas razões justifica-se a promoção da produção e uso do biometano, como proposta central para operações com energias no Brasil.

O biometano e o setor de transportes, de cargas e pessoas, responsável por 30% das emissões globais e por um percentual ainda maior em um país que tem no rodoviarismo uma especialidade, pela primeira vez desponta no cenário mundial como opções bastante evidentes e de múltiplos efeitos para a necessária e inadiável descarbonização dos nossos meios de produção.

Um bom começo, pode ser o biometano na descarbonização das frotas dedicadas empregadas na produção de Proteína Animal.

Sobre o autor

Eng. Cícero Bley Jr

CEO BLEY Energias Ltda 
Empresa residente no BIOPARK Toledo - PR

Saiba mais

Gostou do assunto?

Quer saber mais sobre o biogás no Brasil?

Autor: Cícero Bley Jr. Publicado em: 20 de janeiro de 2024.

Este artigo não é de autoria do Portal Energia e Biogás, desta forma, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do autor. O Portal Energia e Biogás disponibiliza o espaço Comunidades & Produtores de Biogás para que especialistas publiquem conteúdos de opinião e conteúdos técnicos relacionados com o mercado de biogás e biometano. Os textos são avaliados pela equipe de redação do portal, que define possibilidade de publicação. Os conteúdos de opiniões enviados e publicados nesse espaço não refletem necessariamente a opinião do Portal Energia e Biogás.

AVISO! O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.