Produção de Biogás com Segurança e Prevenção de Riscos

Um breve panorama sobre a relevância da segurança e prevenção de riscos na produção de biogás.

Produção de Biogás com Segurança e Prevenção de Riscos
Crédito: Heleno Quevedo de Lima
Artigo
Segurança de Processo e Segurança do Trabalho 

Segurança e Prevenção de Riscos na Produção de Biogás

1. Introdução

Diversos fatores estão contribuindo para o crescimento do número de unidades produtoras de energias renováveis no Brasil. As novas oportunidades favorecem o desenvolvimento de fontes de energia que possam contribuir com a transição energética baseada na descarbonização, segurança energética e flexibilidade para atender a geração de energia elétrica, o uso térmico e a mobilidade.

Além desses pontos, outros requisitos como a redução da passivos ambientais (decorrentes a destinação de resíduos orgânicos), a possibilidade de armazenamento de energia, a facilidade e agilidade para o despacho de energia, somados aos certificados de redução das emissões de carbono têm  proporcionado um maior destaque para o biogás.

O aproveitamento energético do biogás é um fator estratégico de desenvolvimento econômico para o Brasil, tornou-se mais evidente com a atual crise hídrica e o aumento dos preços dos combustíveis derivados de petróleo. 

Com fatores favoráveis para o crescimento de novas plantas de produção de biogás a curto e médio prazo, torna-se cada vez mais relevante a necessidade do entendimento e implantação de normas de segurança para licenciamento, instalação, operação e manutenção de plantas.

Dentre os principais pontos que favorecem a expansão da fonte biogás destacam-se a Geração Distribuída de Energia, expansão do Mercado Livre de Energia Elétrica (ACL) e o novo Marco Regulatório do Gás Natural (Decreto nº 10.712, de 02 de junho de 2021, que regulamenta a Lei nº 14.134, conhecida como a Nova Lei do Gás). 

Se por um lado há a demanda crescente por novos projetos, no outro extremo há riscos atuais presentes em unidades de produção de biogás que já estão em operação. No meio rural há biodigestores operando a mais de dez anos. Destes, a grande maioria não possui um histórico do plano de operação e de manutenção.

Essas unidades de produção de biogás requerem uma atenção especial devido ao envelhecimento dos materiais e a exposição constante as intempéries. O comprometimento da vida útil dos materiais (tubulações, lonas, mantas geomembranas, entre outros) e equipamentos é um risco real, o qual muitos produtores rurais estão expostos. 

Para quem atua no mercado de biogás sabe que há diversos fatores de riscos de processo. Os riscos estão presentes na fabricação de produtos ou equipamentos, riscos que também surgem quando há má qualidade no serviço logística (podendo causar avarias que comprometem a integridade de equipamentos ou produtos), riscos na instalação (podendo afetar a qualidade dos projetos), há riscos quando há falhas na assistência técnica, na capacitação insuficiente de operadores e também quando ocorre falhas no processo de manutenção preventiva e corretiva.

É preciso mapear todos os riscos de processo, desde a fabricação de um determinado equipamento ou produto, passando pela instalação na planta de biogás até o fim da vida útil de equipamentos, desmobilização ou descomissionamento do biodigestor.

Algumas etapas essenciais na segurança de processo:

  • Análises Quantitativa de Riscos;
  • Auditorias realizadas por órgãos fiscalizadores;
  • Avaliação de fatores humanos;
  • Desenvolvimento de banco de dados de registros de incidentes;
  • Gestão integrada de QSMS;
  • Integridade de Equipamentos;
  • Legislação aplicada a Segurança de Processos;
  • Mapeamento e verificação de conformidades;
  • Plano de inspeções programadas;
  • Programação de exercícios simulados de emergência;
  • Proteção contra incêndios e explosões;
  • Segurança de processo;
  • Entre outros. 

Além dos riscos de processo também é importante considerar a segurança do trabalho em um ambiente onde os colaboradores estão expostos a vários fatores de riscos, desde a coleta dos substratos até a entrega dos serviços e produtos finais como o digestato e a energia.

Sobre o acesso do biometano à rede de gasodutos, conforme destacado no novo Marco Regulatório do Gás Natural, A ANP regula e habilita o exercício da atividade observando os requisitos técnicos, econômicos, de proteção ambiental e segurança.

Quanto a segurança do trabalho, de acordo com Probiogás (2015) as principais normas adotadas para regulamentar os empreendimentos com geração de biogás atendem ao disposto nos quadros jurídicos do Ministério do Trabalho e Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Conforme o Ministério do Trabalho, as Normas Regulamentadoras (NR) re­lativas à segurança e saúde do trabalho devem ser atendidas por qualquer empreendimento que apresente empregados vinculados a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) que podem ser empresas privadas e públicas, como também órgãos de administração direta ou indireta e órgãos dos poderes Legislativo e Judiciário.

As Normas Regulamentadoras abordam agentes químicos, físicos, bio­lógicos, ergonômicos, mecânicos ou acidentes sendo que atualmente estão em vigência trinta e seis normas dentre as quais, dezesseis estão relacio­nadas com geração de biogás dependendo de sua aplicação final.

“Os riscos ambientais (físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes) podem causar diversos danos aos operadores, em algumas circunstância têm potencial de causar ou contribuir para uma lesão ou morte.

O risco embora não sendo sinônimo de perigo, está intimamente ligado a ele. O nível do risco difere do nível de perigo, como também da exposição e da vulnerabilidade ao perigo. O risco pode ser visto como a probabilidade de ocorrência de perigo e da perda prevista” (Probiogás, 2015).

A preocupação com a segurança dos trabalhadores (colaboradores direto e prestadores de serviço terceirizados) que atuam em unidades produtoras de biogás está inclusa no pilar social dos princípios ESG – da sigla em inglês Environmental, Social and Corporate Governance (ambiental, social e governança corporativa) – que representa um conjunto de ações que norteia as decisões das empresas e seus investimentos.

As empresas e investidores tem buscado formas de minimização dos riscos e aumentar a geração de valor, respeitando as melhores práticas. Nesse sentido, a preocupação com segurança dos seus colaboradores estará diretamente relacionada com a avaliação da empresa no mercado e na sua competitividade.

Em plantas de biogás de grande escala, atender aos requisitos de segurança no trabalho é algo presente nas práticas de compliance das organizações.

E quanto nas unidades produtoras de biogás, em pequenas escala, localizadas em propriedades rurais (familiares), muitas vezes o tema segurança é negligenciado seja por falta de recursos para se adequarem aos requisitos da legislação, seja pela desinformação ou a falta da aplicação de procedimentos de boas práticas, exemplo Figura 1.

Figura 1 – Unidade produtora de biogás com ausência total de elementos de segurança e mitigação de riscos. 

Objetivo

O objetivo geral dessa análise é chamar a atenção para relevância do tema segurança e prevenção de riscos na produção de biogás.

No 27 de julho foi o Dia Nacional da Prevenção de Acidentes do Trabalho. A data comemorativa tem o objetivo de alertar trabalhadores, empresários, governos e sociedade civil para a importância de práticas que reduzam o número de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho e promovam um ambiente seguro e práticas saudáveis em todos os setores produtivos.

 

Pontos para reflexão

Alguns questionamentos contribuem para uma reflexão sobre o tema e conduzem a um melhor entendimento e busca para o atendimento a regras de segurança.

    • Por que precisamos avaliar os riscos da produção de biogás?

    • Como garantir sistemas de trabalho seguros para todas as escalas de projetos de biogás?

    • Como desenvolver assistência técnica que garanta a implantação de normas de segurança para os produtores de biogás, especialmente produtores rurais?

    • Como fiscalizar cada projeto em operação para que atenda aos requisitos necessários para garantir a segurança?

    • Como contribuir para o bem-estar dos funcionários, colaboradores e produtores de biogás minimizando os acidentes de trabalho?

2. O que é Segurança do Trabalho?

Conforme destacado na Wikipédia, segurança do trabalho é uma ciência que tem o objetivo de promover a proteção do trabalhador em seu local de trabalho, visando a redução de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.

É uma das áreas da segurança e saúde ocupacionais, cujo objetivo é identificar, avaliar e controlar situações de risco, proporcionando um ambiente ocupacional seguro e saudável para as pessoas.

Destacam-se entre as principais atividades de segurança do trabalho: prevenção de acidentes; promoção da saúde; promoção de cursos e treinamentos; elaboração de documentos técnicos, elaboração de perícias trabalhistas; consultoria ou assessoria.

3. O que é Segurança de Processo?

Segurança de processo gerencia a integridade de sistemas operacionais e processos perigosos aplicando bons princípios de projeto e boas práticas operacionais de engenharia para prevenção de incidentes.

Um acidente de processo caracteriza-se principalmente pela perda de contenção, com a liberação de energia ou material perigoso acima do limite estabelecido.  

Um dos objetivos da segurança de processo é o desenvolvimento da cultura preventiva a partir de pilares como: comprometimento com a segurança do processo, entendimento de perigos e riscos, gestão de riscos e aprendizado com experiência.

4. O que é Gerenciamento de Riscos?

No trabalho de Fernandes (2013) o conceito de gerenciamento de risco é destacado como um método (utilizado internacionalmente) para caracterizar o processo de identificação, avaliação e controle de riscos. 

De maneira geral, a definição de gerenciamento de risco é a formulação e a implantação de medidas e procedimentos, técnicos e administrativos, que visam prevenir, reduzir e controlar os riscos, bem como manter uma atividade ou instalação operando conforme os padrões de segurança considerados toleráveis ao longo de sua vida útil.

 

Os riscos ambientais compreendem os riscos:

  • Físicos;
  • Químicos;
  • Biológicos;
  • Ergonômicos;
  • De acidentes.

São exemplos de riscos físicos, que podem ocorrer em unidades de produção de biogás:

  • Ruídos;
  • Calor;
  • Vibrações;
  • Pressões anormais;
  • Radiações não ionizantes;
  • Umidade.

 

Os principais agentes causadores de riscos químicos são:

  • Poeiras;
  • Fumos (partículas sólidas dispersas no ar com diâmetro inferior a 1μm);
  • Névoas (partículas líquidas dispersas no ar por ruptura mecânica, ou seja, por ação do vento, de jatos de esguicho, de “spray’, névoas de pinturas, névoas de ácido sulfúrico);
  • Neblinas (partículas líquidas dispersas no ar com diâmetro menor que 0,5μ, originadas da condensação de gases provenientes de algum processo térmico);
  • Gases;
  • Vapores;
  • Substâncias, compostos ou produtos químicos;

 

 

Riscos Biológicos

São aqueles riscos biológicos potencialmente nocivos introduzidos nos processos de trabalho pela utilização de seres vivos (em geral, microrganismos) como parte integrante do processo produti­vo, tais como vírus, bacilos, bactérias, arqueas, etc.

 

Riscos ergonômicos

  • LER (lesões por esforços repetitivos) / DORT (doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho); 
  • Peso e postura incompatíveis com o biotipo e tarefa, respectivamente; 
  • Jornada (duração, ritmo, turno e controle rígido); 
  • Mobiliário incompatível, ausente ou desnecessário, no trabalho;
  • Estresse provocado por causas imediatas ou distantes. 

 

Riscos de acidentes

Os agentes de acidentes são arranjos fí­sicos inadequados ou deficientes, máquinas, equipamentos e ferramentas defeituosas, inadequadas ou inexistentes, eletricidade, sinalização, perigo de incêndio ou explosão, transporte de materiais, edificações, armazena­mento inadequado, etc. Essas deficiências podem abranger um ou mais dos seguintes aspectos: 

    • Arranjo físico; 
    • Edificações; 
    • Sinalizações; 
    • Instalações elétricas; 
    • Máquinas e equipamentos sem proteção; 
    • Equipamento de proteção contra incêndio; 
    • Ferramentas defeituosas ou inadequadas; 
    • EPI inadequado; 
    • Armazenamento e transporte de materiais; 
    • Iluminação deficiente.

Figura 2 – Exemplos de equipamentos de proteção individual (EPI)

5. Biogás - Fonte de risco ocupacional

O biogás é a mistura de todos os gases produzidos durante a decomposição de resíduos orgânicos. 

A decomposição dos resíduos orgânicos quando ocorre em ambientes fechados, ou seja, em locais sem a troca de ar ou em ambientes alagados, onde o resíduo submerso está sem o contato com atmosfera, caracterizando-se como ambientes anaeróbios (locais sem a presença de oxigênio atmosférico livre). Somente nessas condições desenvolve-se micro-organismos anaeróbios que consomem os resíduos orgânicos e produzem o biogás

O biogás é uma mistura de vários gases: gás metano (CH4), gás carbônico (CO2), vapor de água (H2O), sulfeto de hidrogênio (H2S), amônia (NH3) e outros gases que aparecem em proporções menores do que 1%.

Agente Químico

Perigo

Metano (CH4)

Perigo de Explosão

  • Onda de choque (impacto direto sobre pessoas, impacto indireto por estilhaços); 
  • Consequências térmicas (queimaduras, propagação de fogo);
Dióxido de Carbono (CO2)

Perigo de intoxicação por Inalação

  • O dióxido de carbono é um asfixiante. Concentrações de 10% ou mais podem causar inconsciência ou morte.
Sulfeto de Hidrogênio (H2S)

Perigo de intoxicação e explosão

Intoxicação por H2S e efeitos nos seres humanos: 

  • 20 ppm lesões na córnea (exposição prolongada); 
  • ≈ 100 ppm irritação da mucosa (olhos e vias respiratórias), salivação e tosse; 
  • > 200 ppm dor de cabeça, dificuldades em respirar, sintomas de intoxicação em menos de uma hora; 
  • > 250 ppm anestesia dos receptores olfativos;
  • > 300 ppm náusea; 
  • ≈ 500 ppm espasmos, desmaio após algumas respirações;
  • ≈ 1000 ppm risco de vida em questões de minutos; 
  • ≈ 5000 ppm letal em poucos segundos.

Amoníaco (NH3)

Sob exposição prolongada pode causar inflamação das vias respiratórias inferiores e superiores: 

  • Uma concentração de 1,5 – 2,5 g/m³ no ar livre é letal depois de 30 – 60 minutos;
  • Limite máximo no trabalho: 20 ppm/m³ de ar;
  • Efeito particularmente corrosivo em cobre. Ar contaminado com amoníaco deve ser sempre evitado perto de computadores e componentes eletrônicos. 
Esgoto, água de processo e água de infiltração

Perigo de infecção em áreas de infiltração e esgoto:

  • Pelo não cumprimento de medidas de higiene ou falhas humanas dos funcionários há o perigo de contaminação pelo contato com a pele;
  • Perigo de inalação de aerossóis. “especialmente durante o uso de lavadoras de alta pressão, lavagem a jato, sucção e agitadores de rotação rápida”. 

Fonte: Adaptado de Probiogás (2015)

Perigos gerais no manuseio de biogás

  • Intoxicação
  • Asfixia
  • Deflagração
  • Incêndio
  • Explosão

Figura 3 – Exemplo de Sinalizações para área com Atmosfera Explosiva

Risco de Explosão

O  metano tem a característica de formar, em uma proporção determinada da mistura com oxigênio ou ar, uma mistura explosiva de gás (Atmosferas Explosivas). Os perigos resultantes de explosões são múltiplos:

  • Onda de pressão: Através da explosão da mistura de metano, sobre pressão de cerca de 6 bar pode ocorrer em poucos milissegundos. A subida repentina da pressão pode causar ferimentos graves. Além disso, partes de equipamentos podem se desmantelar, podem ser danificadas ou completamente destruídas. Uma possível consequência disso são também ferimentos de pessoas presentes no local por partes de máquinas ou equipamentos lançados no ar.
  • Consequências térmicas: Pelo aumento repentino de temperatura e as chamas causadas pela explosão, pessoas podem sofrer queimaduras, partes do equipamento podem pegar fogo e danos consequentes podem ocorrer.

6. Posicionamento de Instituições e Especialistas

"Esse espaço está disponível para que instituições e especialistas possam contribuir com posicionamentos sobre o desenvolvimento e aplicação de políticas de segurança para a produção de biogás".

Para enviar contribuições, entre em contato conosco. 

  • ABREN - Associação Brasileira de Recuperação Energética de Resíduos

Política de Segurança - Operações de produção de biogás, seus derivados e respectivas aplicações elétrica, térmica e como combustível, assim como o digestato e seus derivados, apresentam riscos importantes do ponto de vista de segurança das operações que podem causar danos às pessoas, às instalações e ao meio ambiente. 

Entretanto, se forem tomadas as medidas de proteção adequadas, os riscos dentro e em torno de usinas de produção de energia a partir de resíduos podem ser limitados e reduzidos, de forma que ameaças potenciais sejam gerenciáveis e as plantas operadas conforme planejado. 

Levando em consideração que a ausência de procedimentos, normas e padrões de segurança tornam essas operações mais perigosas e com maior potencial de riscos, e que ainda não temos padronização de procedimentos de segurança de processos para a produção de biogás no país, torna-se conveniente a elaboração de uma Política para estabelecer critérios e diretrizes de segurança para projetos, instalação de usinas, produção e armazenamento de produtos e insumos, para garantir a mitigação de riscos e dar condições seguras de trabalho aos operadores, segurança de processos às instalações e ao meio ambiente onde estas usinas operam.

Como política de segurança a ABREN propõem diretrizes e padrões de segurança de processos.

      • Estimular a adoção da Norma ABNT ISO 31.000 – Gestão de Riscos de Processos para a produção e a utilização de biogás e derivados por parte das empresas fornecedoras de máquinas e equipamentos, construtoras e operadoras de instalações;
      • Comunicação com alvo na Engenharia de Projetos e na Indústria de Bioprocessos, para que a partir desses dois segmentos, incorpore-se os conceitos da Gestão de Riscos em Processos, segundo orientação da Norma ABNT ISO 31.000;
      • Implementar e Iniciar o Banco de Dados sobre Riscos em Processos na cadeia produtiva do Biogás e seus derivados;
      • Constituir um Grupo de Trabalho composto por associados da ABREN e membros do WtERT Brasil, que será mobilizado para avaliar as situações de ocorrência de acidentes e cujas causas e consequências farão parte do Banco de dados citados no item 3.
      • Oferecer ao mercado nacional um Curso de Capacitação em Seguranças de Bioprocessos para biogás e derivados. Certificar os que atenderem as exigências comprobatórias do Curso.
      • Incorporar o selo ABREN de Segurança de Bioprocessos para biogás e derivados aos formados no Curso de Capacitação citado no item 5.
      • Abrir possibilidades na ABREN para gerar especificamente recomendações de segurança de processos por meio de Manuais e Procedimentos com o amadurecimento da Política de Segurança de Processos e sua aplicação em condições brasileiras, que poderá ser executado pela ABREN WtERT Brasil, ABNT ou outra instituição certificadora.

Obs.: O arquivo para download da Proposta ABREN para Segurança de Processo está disposnível no final deste artigo.

7. Considerações Finais

Esta matéria visa chamar a atenção da relevância do tema “Segurança de processo e Segurança do trabalho aplicado em unidades produtoras de Biogás”, especialmente em unidades produtoras de biogás localizadas em propriedades rurais.

A adoção de ações e medidas preventivas para eliminar e/ou amenizar os riscos do processo visa proporcionar melhor qualidade de vida e segurança dos produtores rurais, seus funcionários e sua família. Visando sempre um ambiente de prevenção de acidentes e melhor qualidade de vida para todos.

Segurança de processo e Segurança do trabalho nunca deverão ser uma opção e sim uma obrigação constante de todos envolvidos no mercado de biogás. É preciso desenvolvimento de políticas públicas que garantam a assistência em todas as etapas, assim como proporcione uma atenção especial para desenvolvimento de planos de operação e manutenção rigorosos.

A cultura da atenção constante aos detalhes, tolerância zero a falhas e fiscalização geral de todos os pontos é um obrigação de todos para garantir segurança e confiabilidade do setor de biogás.

 

Biogás – Segurança em primeiro lugar!

Não tolere desrespeito às normas de segurança!

8. Referência Bibliográficas Consultadas

  • ALMEIDA, Claudinei de. Segurança do trabalho em propriedades rurais – Estudo de Caso. (Monografia) Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - Campus Medianeira. Orientador: : Prof. Dr. Laércio Mantovani Frare, 2018. Disponível em: Clique aqui para acessar.
  • BDC Dorsch Consult Ingenieurgesellschaft mbH. Projeto e Parceria Público-Privada Brasil – Alemanha. Conceito de segurança para plantas de biogás – Relatório para o manuseio seguro na geração de biogás. Parceria: ASJA Brasil Ltda, Copasa MG, Efficientia, FEAM, FIEMG, FUMEC, Methanum Engenharia Ambiental, PUC Minas, GIZ/Probiogas. Alemanha, Setembro de 2015.
  • BERUFSGENOSSENSCHAFT, Landwirtschaftliche. Technische Information 4: Sicherheitsregeln für Biogasanlagen, Anhang 15 (Tradução: Informações Técnicas 4: Regras de segurança para usinas de biogás, Apêndice 15). 2008, November 2015 aktualisiert.
  • BRASIL, MINISTÉRIO DAS CIDADES, Cooperação Alemã e GIZ. KNOPKI, Roberta Hessmann. PROBIOGÁS – Segurança e Prevenção de Riscos na Produção de Biogás. Brasília, Janeiro/2015.
  • DUPONT, Laurent; PAILLART, Alexandra. Règles de sécurité des installations de méthanisation agricole. Institut National de l’Environnement Industriel et des Risques INERIS-Direction des Risques Accidentels, 2009.
  • FACHVERBAND BIOGAS. Biogas Safety First! Diretrizes para o uso seguro da tecnologia de biogás. Fachverband Biogas – Associação Alemã de Biogás & Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), 2017. Disponível em: Clique aqui para acessar.  
  • FERNANDES, Dangela Maria. Análise de riscos físicos e químicos em sistemas de tratamento de efluentes utilizando biodigestores no meio rural. (Monografia) Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR - Campus Medianeira. Orientador: Prof. Me. Yuri Ferruzzi, 2013. Disponível em: Clique aqui para acessar.
  • KUNZ, Airton; STEINMETZ, Ricardo Luis Radis; DO AMARAL, André Cestonaro. Capítulo III – Os Biodigestores in Fundamentos da digestão anaeróbia, purificação do biogás, uso e tratamento do digestato. Embrapa Suínos e Aves - Livro científico (ALICE), 2019. Disponível em: Clique aqui para acessar..
  • PROBIOGÁS. Curso de segurança em plantas de biogás e biometano. Apostila. Curitiba-PR, 2015.
  • SANTOS, Gabriela Rodrigues de Mendonça e GOULART, Juliana Gonçalves. Análise de segurança de uma planta de produção de hidrogênio para obtenção de energia via reforma à vapor de biogás gerado em aterros sanitários. (Projeto Final) Graduação em Engenharia Química - Universidade Federal Fluminense. Orientadora: Profª. Dra. Ana Carla da Silveira Lomba Sant´Ana Coutinho, 2020. Disponível em: Clique aqui para acessar.
  • USEPA – United States Environmental Protection Agency, Common Safety Practices for On-Farm Anaerobic Digestion Systems (Tradução: Práticas comuns de segurança para sistemas de digestão anaeróbica na fazenda). 2011. Disponível em: Clique aqui para acessar.

9. Cursos  na Área de Segurança

  • CIBiogás – Curso de Segurança em Plantas de Biogás. Informações, clique aqui
  • PUC RIO – Curso de Segurança de Processos Industriais. Informações, clique aqui
  • SENAI – Capacitação em instalações elétricas em atmosferas explosivas. Informações, clique aqui;
  • SENAI – Curso Técnico de Segurança do Trabalho. Informações, clique aqui;
  • USP – Curso Engenharia de Segurança do Trabalho. Informações, clique aqui.

10. Webinar sobre Segurança

  • Seminário: Dia Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho. Transmitido no dia 27 de julho de 2021. Disponível no canal do YouTube: https://youtu.be/jlrnuQR91t0 Instituição: Fundacentro
  • Webinar: A Engenharia da Segurança do Trabalho – Segurança do Trabalho deve ser absorvida na cultura da organização e todas as atividades realizadas devem ser olhadas pelo prisma da segurança. Transmitido no dia 27 de julho de 2021. Instituição: Bio Energy Hub.  Informações, clique aqui. Em breve estará disponível no canal do YouTube;
  • Treinamento Internacional - Health and Safety Essentials for AD Training: 11th August 2021, Reino Unido. Instituição: ADBA -  Anaerobic Digestion & Bioresources Association.

11. Normas pertinentes à qualidade, segurança, meio ambiente e saúde em unidades de produção de biogás

Normas Regulamentadoras de saúde

  • NRS NR - 02 - Inspeção previa;
  • NRS NR - 06 - Equipamento de Proteção Individual – EPI;
  • NRS NR - 10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade;
  • NRS NR - 12 - Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos;
  • NRS NR - 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Industria da Construção;
  • NRS NR - 20 - Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis;
  • NRS NR - 22 - Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração;
  • NRS NR - 23 - Proteção Contra Incêndios;
  • NRS NR - 26 - Sinalização de Segurança;
  • NRS NR - 31 - Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura;
  • NRS NR - 33 - Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados.

12. Agradecimentos

O Portal Energia e Biogás gostaria de agradecer a todos as pessoas que contribuíram com informações valorosas para esse artigo. 

  • Yuri Schmitke, Presidente da ABREN e do WtERT Brasil;
  • Fabio R. Soares, coordenador do GT Biogás e Biometano do WtERT Brasil;
  • Gustavo Possetti, membro GT Biogás e Biometano do WtERT Brasil;
  • Athaydes Leite Junior, membro GT Biogás e Biometano do WtERT Brasil;
  • Wagner Labigalini, Gastech e membro GT Biogás e Biometano do WtERT Brasil;
  • Cicero Bley, membro GT Biogás e Biometano do WtERT Brasil.



Gostou do assunto?

Quer saber sobre o biogás no Brasil?


 Todos os direitos reservados - Portal Energia e Biogás.

Arquivos para download