A produção de biogás é economia circular?

Uma breve reflexão sobre a produção de biogás nos processos produtivos.

A produção de biogás é economia circular?
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Colunista
Biogás em Pauta, por Heleno Quevedo

A produção de biogás é economia circular?

Uma breve reflexão sobre a produção de biogás nos processos produtivos.

Heleno Quevedo | Colunista do Portal Energia e Biogás — Antes de respondermos essa questão é importante avaliarmos alguns conceitos sobre os processos produtivos. O sistema tradicional de produção é caracterizado principalmente por uma sequência linear de  etapas como: extração de matérias-primas, produção, utilização, descarte e poluição.

No sistema de produção baseado no conceito de economia circular são adotadas metodologias que possibilitam produzir, usar, reutilizar, refazer, reciclar para novamente produzir.

Cada uma dessas etapas é vista como parte de um grande processo cíclico presente na produção, na logística, comercialização, gestão dos resíduos e na reintrodução nos processos produtivos.

São formas que possibilitam uma maior eficiência na utilização de recursos naturais e obtenção mais sustentável das matérias-primas. Esse conceito também possui mecanismos para avaliar constantemente a sustentabilidade dos processos, reduzir a geração de resíduos e os impactos ambientais, possibilitar a reciclagem de materiais e de nutrientes, aumentar a eficiência dos processos, possibilitar recuperação energética, reduzir os desperdícios e as perdas de material e energia.

Economia circular na produção de biogás.

Nesse contexto a produção de biogás caracteriza-se como um processo de economia circular, atendendo aos principais itens que caracterizam esse processo.

A produção de biogás obtida a partir do processo de digestão anaeróbio é parte do ciclo do carbono. Um ciclo biogeoquímico no qual o elemento carbono sai do meio ambiente para os organismos vivos, retornando, em seguida, ao meio ambiente. E novamente retornando para as plantas.

Desta forma, biogás caracteriza-se como um combustível renovável, um biocombustível  de origem biológica, não fóssil, produzido a partir de processos bioquímico de reproveitamento da biomassa residual.

O efluente gerado no processo de produção de biogás é o digestato, que em algumas situações pode substituir os fertilizantes industriais. Esse biofertilizante possibilita reciclagem de nutrientes, favorecendo a ciclo do nitrogênio por meio fixação biológica no solo e nas plantas.

O processo industrial de digestão anaeróbia também possibilita a recuperação energética dos resíduos orgânicos. Esses resíduos se não fosse biometanizados em reatores apropriados iriam emitir para atmosfera gases do efeito estufa, gerados durante o seu processo de decomposição.

Ao serem degradados em ambientes controlados (biodigestores rurais ou reatores industriais) ocorre a recuperação do biogás, podendo ser destinado para sistemas de geração de energia elétrica, energia térmica ou produção de combustível veicular (BioGNV).

“Do ponto de vista da energia, devemos lembrar sempre que de acordo com a termodinâmica, um processo de economia circular não possibilita recuperar e reaproveitar 100% da energia contida nos resíduos orgânicos. É importante destacar que há etapas irreversíveis de perdas e ineficiência do processo de recuperação energética. E a entropia define bem o grau de irreversibilidade desse processo. No entanto quando nos referimos a possibilidade de reuso dos resíduos orgânicos para produção do biogás e digestato, estamos sim promovendo ações de economia circular ao otimizar o uso e também reintroduzir alguns insumos novamente na cadeia produtiva”.

Desta forma, o processo de produção de biogás a partir do reaproveitamento de resíduos orgânicos atende vários requisitos que caracterizam esse processo como um processo de economia circular.


Referências consultadas

  • BORSCHIVER, Suzana; TAVARES, Aline. Economia circular e o setor energético. 2018.
  • DEUBLEIN, Dieter; STEINHAUSER, Angelika. Biogas from waste and renewable resources: an introduction. John Wiley & Sons, 2011.
  • KUNZ, Airton; STEINMETZ, Ricardo Luis Radis; DO AMARAL, André Cestonaro. Fundamentos da digestão anaeróbia, purificação do biogás, uso e tratamento do digestato. Embrapa Suínos e Aves-Livro científico (ALICE), 2019.
  • WEETMAN, Catherine. Economia Circular: conceitos e estratégias para fazer negócios de forma mais inteligente, sustentável e lucrativa. Autêntica Business, 2019.
  • WELLINGER, Arthur; MURPHY, J. Patrick; BAXTER, David (Ed.). The biogas handbook: science, production and applications. Elsevier, 2013.



A coluna Biogás em Pauta aborda diferentes temáticas relacionadas com o processo de produção de biogás, destacando a relação com fatores ambientais, sociais, econômicos e corporativos.

Gostou do assunto?

Quer saber mais sobre o biogás no Brasil?



Autor: Heleno Quevedo    Publicado em: outubro de 2022.

Este artigo não é de autoria do Portal Energia e Biogás, desta forma, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do autor. O Portal Energia e Biogás oportuniza espaço para que especialistas publiquem seus artigos, conteúdos de opinião, análises ou conteúdos técnicos relacionados com o mercado de biogás, biometano e digestato. Os textos são avaliados pela equipe de redação do portal, que define possibilidade de publicação. Os conteúdos de opiniões enviados e publicados nesse espaço não refletem necessariamente a opinião do Portal Energia e Biogás.

AVISO! O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.