Biogás na Argentina: transformando um problema ambiental em uma solução

Agricultores argentinos relatam os desafios para se produzir biogás.

Biogás na Argentina: transformando um problema ambiental em uma solução
Foto: Divulgação/ IPS – Inter Press Service. Créditos/ CopMonje
Mundo
IPS – Inter Press Service 

Biogás na Argentina: transformando um problema ambiental em uma solução

A matéria da IPS destaca o cenário atual da produção de biogás na Argentina.

 “Até cinco anos atrás não sabíamos da economia circular, mas hoje nossos resíduos geram produtos ambientalmente neutros que também oferecem retorno”, afirma José Luis Barrinat, gerente de uma cooperativa que reúne cerca de 550 pequenos agricultores em Monje, Argentina.

A história deles reflete uma realidade que começou a se espalhar nos últimos anos nas áreas rurais deste país sul-americano, tradicional potência na produção de alimentos. Hoje, tanto os pequenos agricultores quanto as grandes empresas do agronegócio geram energia e outros produtos a partir do que antes era considerado resíduo e era apenas um problema ambiental.

Cooperativa Agropecuária de Monje está localizada 370 quilômetros ao norte de Buenos Aires, na província de Santa Fé, e possui uma granja de cerca de 200 porcas que vende cerca de 90 animais por semana, disse Barrinat por telefone de sua cidade natal à IPS.

Até recentemente, o esterco era coletado em grandes lagos abertos, grandes emissores de metano, um dos principais gases de efeito estufa (GEE) que contribuem para o aquecimento global, para a atmosfera.

Tudo mudou, porém, com a inauguração em 2018 de um biodigestor, onde o efluente da granja de suínos passou a ser tratado junto com outros resíduos orgânicos, como grãos em decomposição.

O biodigestor replica a natureza ao converter matéria orgânica em energia por meio de bactérias que realizam um processo de degradação anaeróbia.

O biodigestor de Monje é constituído por um grande tanque com paredes impermeabilizadas revestidas por uma lona reforçada com borracha que o sela hermeticamente, por onde passam os efluentes das actividades agrícolas.

Barrinat explica que o biogás resultante tem dois usos: “Usamos como combustível para um gerador elétrico, que cobre parte do consumo de nossa planta de óleo, e também para um secador de grãos que usamos quando a colheita está molhada. Também extraímos biofertilizadores, que usamos em nosso campo de 35 hectares ”.

A construção do biodigestor custou cerca de US $ 100.000 e foi possível graças a uma doação da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e assessoria do governamental Instituto Nacional de Tecnologia Agrícola (INTA) da Argentina .

O uso do biogás cresceu enormemente desde 2015 neste país, ao lado da pesquisa e da geração de conhecimento”, disse Jorge Hilbert, assessor internacional do INTA. “Infelizmente, isso parou nos últimos dois anos, devido às dificuldades de financiamento que atravessa a Argentina”, acrescentou, falando à IPS na capital.

Hilbert coordena o projeto Global Digital Biogas Cooperation no país, que no ano passado investigou as condições de mercado na Argentina, Etiópia, Gana, Indonésia e África do Sul. A iniciativa foi financiada pela União Européia, que tem interesse em exportar sua tecnologia de biogás para países emergentes.

No caso da Argentina, o estudo apontou que existem 100 usinas de biogás em operação e que o principal potencial dessa energia renovável está no efluente da produção de suínos e bovinos e da indústria de laticínios.

A geração de biogás recebeu um impulso em 2015, quando foi aprovada a Lei de Promoção de Energias Renováveis . No ano seguinte, o governo lançou o Programa RenovAr , pelo qual o Estado garante a compra de energia elétrica gerada com fontes não fósseis.

O engenheiro ambiental Mariano Butti, pesquisador do INTA na cidade de Pergamino, disse à IPS que, graças à RenovAr, 36 grandes usinas de biogás foram construídas ou estão em construção, injetando energia na rede elétrica nacional.

No entanto, Butti disse por telefone daquela cidade, localizada a cerca de 220 quilômetros da capital, que ainda há um longo caminho a percorrer, principalmente para médios e pequenos agricultores.

O benefício dos biodigestores é duplo, porque eles geram biofertilizantes que substituem fertilizantes químicos de base fóssil e porque reduzem as emissões de GEE de efluentes não tratados”, disse ele.

Hoje na Argentina estamos desperdiçando um recurso”, acrescentou Butti, que citou exemplos concretos, como Navarro, município agrícola localizado a 120 quilômetros de Buenos Aires.

O especialista explica que “Navarro tem 20 mil habitantes e 180 fazendas de gado, com um total de 38 mil vacas. Hoje, eles geram eletricidade local com dois motores a diesel e despejam o efluente do gado em um rio, em vez de aproveitá-lo ”.

No entanto, desenvolver o potencial dos resíduos agrícolas na Argentina não é uma tarefa fácil.

Em 2018, o INTA desenvolveu um projeto para Chañar Ladeado, uma cidade de 6.000 habitantes, também na província nordestina de Santa Fé, onde a principal atividade é a suinocultura. Graças ao efluente, o biogás teria sido fornecido para toda a comunidade, que hoje usa gás de botijão, mas o plano falhou porque o financiamento não deu certo.

Diante do fracasso da iniciativa, um suinocultor local, Gabriel Nicolino, instalou um biodigestor em sua própria fazenda, que possui 200 porcas. “Fiz isso com a ajuda do INTA, um pouco por tentativa e erro, porque neste país é muito difícil conseguir crédito”, disse Nicolino à IPS por telefone daquela cidade.

Estou começando a usar o biogás como combustível para gerar eletricidade para o celeiro de criação, o que inclui aquecer os porcos nas primeiras semanas de vida. Espero recuperar o investimento no longo prazo ”, acrescentou.



“Os agricultores estão começando a perceber que o efluente da produção animal não é um resíduo, mas uma matéria-prima que pode gerar valor e que um problema ambiental pode se tornar uma solução lucrativa.” - Diego Barreiro



Quem paga os custos ambientais?

Ignacio Huerga, especialista do INTA da cidade de Venado Tuerto, observa que as perspectivas para a geração de biogás a partir de resíduos agrícolas são muito diferentes dependendo da escala das fazendas.

Os grandes agricultores têm que pensar em investimentos de milhões de dólares com tecnologia importada de países como Alemanha e Itália. Os produtores menores ficam com o desenvolvimento de universidades ou empresas nacionais que fornecem tecnologia ”, disse à IPS daquela cidade.

Acrescentou que “o problema da viabilidade econômica tem a ver com o fato de que na Argentina ninguém paga o custo do impacto ambiental de sua atividade. Se eles tivessem que pagar, as coisas seriam diferentes. Em qualquer caso, o biogás certamente crescerá nos próximos anos neste país ”.

Uma das grandes empresas do agronegócio argentino que escolheu o biogás é a Adecoagro , que produz leite, grãos, arroz, açúcar e etanol na Argentina e também faz negócios no Brasil e no Uruguai. A Adecoagro se descreve como uma “produtora de alimentos e energia renovável sob um modelo sustentável”.

A empresa possui quatro fazendas leiteiras na cidade de Cristophersen, Santa Fé, com 12.000 vacas leiteiras.

Em 2004, começamos a investigar como poderíamos tirar proveito do esterco de vaca. Na época aplicávamos em nossos campos como fertilizante, porque nosso primeiro biodigestor natural são os estômagos das vacas, mas vimos que havia mais potencial ”, disse à IPS Lisandro Ferrer, chefe de Projetos Industriais da Adecoagro.

Graças ao plano RenovAr, e com tecnologia italiana, a Adecoagro investiu seis milhões de dólares em um biodigestor e injeta eletricidade na rede nacional desde novembro de 2017. “Temos 1,4 MW de potência instalada. Poderíamos cobrir as necessidades de energia de uma cidade de 500 a 1.000 habitantes ”, disse Ferrer por telefone de Cristophersen.

O biodigestor é alimentado com 200 toneladas de esterco bovino por dia, que são enviadas para três tanques de concreto de 5 mil metros cúbicos. A gente vê que as vacas transformam o milho que comem em leite, e o que sobra a gente transforma em biogás para gerar eletricidade ”, explica.

No entanto, os promotores do biogás ainda precisam trabalhar para despertar o interesse dos produtores agrícolas. Há quatorze anos Diego Barreiro fundou a empresa argentina Biomax, dedicada à fabricação e comercialização de biodigestores, e desde então tem percorrido o país explicando os benefícios do sistema.

Estamos trabalhando muito para reduzir custos. Hoje temos 54 biodigestores instalados e o interesse é crescente. Temos um agricultor que, graças ao biofertilizador feito de esterco de porco, conseguiu aumentar tanto a produtividade de seu campo de soja que em um ano recuperou o investimento ”, disse Barreiro à IPS, em Buenos Aires.

Ele disse que “os agricultores estão começando a perceber que o efluente da produção animal não é um resíduo, mas uma matéria-prima que pode gerar valor e que um problema ambiental pode se tornar uma solução lucrativa”.



Para acessar a matéria completa, clique aqui.



Gostou do assunto?

Quer saber mais sobre o conceito de biogás?

Acesse




Fonte: IPS Inter Press Service - News Agency, por Daniel Gutmanr 
Publicado em:  11 de maio de 2021.

Esta notícia não é de autoria do Portal Energia e Biogás, desta forma, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do veículo original. Para acessar a notícia completa em seu veículo original, clique aqui.