Comparativo da emissão de carbono (CO2): Gasolina, Etanol, Biometano e Energia Elétrica

Estudo apresenta uma comparação das emissões resultante da produção dos veículos, manufatura da bateria, recarga e queima do combustível.

Comparativo da emissão de carbono (CO2): Gasolina, Etanol, Biometano e Energia Elétrica
Comunidades & Produtores de Biogás
Avaliação do Ciclo de Vida (ACV)

Emissões comparativas entre os veículos: Golf e Tesla

Autor: Marcelo Gauto

Introdução

A Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) é uma técnica desenvolvida para mensuração dos possíveis impactos ambientais causados como resultado da fabricação e utilização de determinado produto ou serviço. Essa avaliação é feita sobre todos os estágios de ciclo de vida de um determinado produto ou processo, desde a aquisição da matéria-prima ou sua geração a partir de recursos naturais até sua disposição final.

A ACV também considera as etapas intermediárias (fabricação, transporte, utilização do produto ou serviço, entre outros). Por essa razão, a ACV também é chamada de "avaliação do berço ao túmulo". A análise de ACV realizada neste estudo considerou do "poço à roda" (Well-to-Wheel), não incluindo a etapa de descarte (o "túmulo"). Well-to-Wheel (WtW) é o primeiro passo para comparar a eficiência de diferentes soluções em relação às emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE).

Para estimar as emissões de carbono dos veículos (considerando a fabricação dos veículos, emissões da fabricação das baterias, emissões das recargas elétricas e emissões do uso de combustíveis) este estudo considerou dois modelos específicos: um veículo de combustão interna e um veículo 100% elétrico. 

A análise foi baseada em várias premissas, incluindo a metodologia aplicada ao RenovaBio. A Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), instituída pela Lei 13.576/2017, trata-se de uma política de Estado de descarbonização do transporte. Também foram consideradas premissas da ACV destacadas em metodologias do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (Intergovernmental Panel on Climate Change - IPCC).

Para a realizar a comparação das emissões dos veículos, foi necessário identificar dois veículos equivalentes que possuíssem todos os dados adequados para aplicação da metodologia de estudo. Desta forma, como objetos de estudos selecionados foram os veículos: Golf GTI 2.0 e o Tesla Model 3.

As principais premissas adotadas na comparação

  • Rendimento do Tesla de 7,3 km/kWh;
  • Perdas de transmissão e distribuição de energia elétrica: 11,5%;
  • Bateria de 82 kWh fabricada nos EUA;
  • Perdas de recarga da bateria: 10%;
  • Intensidade de carbono do etanol de 28,2 gCO2/MJ (Renovabio Jan/2022);
  • Intensidade de carbono do biometano de 10,0 gCO2/MJ (Renovabio Jan/2022);
  • Poder calorífico inferior da gasolina E27 de 29,6 MJ/L;
  • Poder calorífico inferior do etanol de 21,35 MJ/L;
  • Poder calorífico inferior do biometano de 38,4 MJ/m³.

Emissões comparativas Golf e Tesla

Os veículos elétricos têm emissões de carbono associadas à produção do veículo, à produção da bateria e às respectivas recargas na rede elétrica.

As emissões comparativas do Golf GTI 2.0 com o Tesla Model 3 são apresentadas no quadro abaixo, considerando emissões de produção dos veículos, manufatura da bateria, recarga e queima do combustível.

Figura 1 - Comparação das emissões de carbono, por Marcelo Gauto

Emissões do Golf GTI 2.0

    • Abastecido com gasolina (E27) com autonomia de 10,2 km/L - 252,6 gCO2e/km
    • Abastecido com etanol (E100) com autonomia de 7,1 km/L - 130,2 gCO2e/km
    • Abastecido com biometano com autonomia de 10,2 km/L - 58,3 gCO2e/km

Emissões do Tesla Model 3

    • Recarga de energia elétrica a partir da rede de distribuição do Brasil - 87,5 gCO2e/km
    • Recarga de energia elétrica a partir da geração solar fotovoltaica (100%) - 78,6 gCO2e/km
    • Recarga de energia elétrica a partir de hidrelétrica (100%) - 74,5 gCO2e/km
    • Recarga de energia elétrica a partir da geração eólica (100%) - 72,3 gCO2e/km

No comparativo, observa-se que o biometano é uma fronteira extremamente importante para atingimento das metas de descarbonização mundo afora, com emissões que podem ser, inclusive, negativas no ciclo de vida dependendo da origem da biomassa utilizada para sua produção.

Vale frisar que os números variam de um comparativo para outro, dependendo dos parâmetros adotados no estudo e retratam apenas uma “fotografia” pontual do atual estado da arte.

Com o avanço da tecnologia, descarbonização dos processos produtivos e da matriz elétrica são esperadas reduções das emissões apresentadas ao longo da próxima década.

Referências

  • Data from Tesla (2021);
  • RenovaBio (2021);
    • RenovaBio - Política Nacional de Biocombustíveis - http://www.renovabio.org
    • ANP - RenovaBio - https://www.gov.br/anp/pt-br/assuntos/renovabio
    • ANP - RenovaCalc - https://www.gov.br/anp/pt-br/assuntos/renovabio/renovabio/renovacalc
  • Life cycle assessment (LCA) and the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) (2014).

Sobre o autor

Marcelo Gauto é Químico Industrial, autor de artigos e livros técnicos na área de petróleo, gás e energia.
LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/quimicogauto/

Gostou do assunto?

Quer saber mais sobre o biogás no Brasil?


Autor: Marcelo Gauto.
Publicado em: 26 de janeiro de 2022.

Este artigo não é de autoria do Portal Energia e Biogás, desta forma, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do autor. O Portal Energia e Biogás disponibiliza o espaço Comunidades & Produtores de Biogás para que especialistas publiquem conteúdos de opinião e conteúdos técnicos relacionados com o mercado de biogás e biometano. Os textos são avaliados pela equipe de redação do portal, que define possibilidade de publicação. Os conteúdos de opiniões enviados e publicados nesse espaço não refletem necessariamente a opinião do Portal Energia e Biogás.