UBE intensifica sua participação no mercado brasileiro de biogás

A aposta da multinacional japonesa reside na oferta de membranas de alta tecnologia, para o upgrade de biogás para biometano.

UBE intensifica sua participação no mercado brasileiro de biogás
Foto: Divulgação/ UBE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil
Novos Negócios

UBE intensifica sua participação no mercado brasileiro de biogás

A aposta da multinacional japonesa reside na oferta de membranas de alta tecnologia, para o upgrade de biogás para biometano.

Nos últimos anos, a demanda por membranas de separação de gases, especialmente biogás para extrair biometano, tem crescido na Europa e nas Américas e, em especial, no Brasil. Diante desta realidade, a UBE, um dos principais players globais de membranas para a separação de gases, trabalha para melhorar ainda mais seu sistema de produção, expandir suas plantas e aumentar as capacidades existentes.

Os 35 anos de experiência da empresa japonesa nesta área garantem o fornecimento de membranas de alto desempenho para diversas aplicações. Uma delas é a purificação de biogás em biometano a partir de uma coleta mais eficiente de CO2. A alta tecnologia aplicada às membranas da UBE resulta em produtos de alta resistência ao H2S, que permitem operar em concentrações superiores a 30.000 ppmv de entrada de gás sem comprometer a qualidade do material. As resistências química e mecânica das membranas da UBE também garantem uma vida útil longa e a excelente permeabilidade e seletividade garantem um processo compacto com baixo CAPEX e OPEX.

 

“Nosso objetivo no Brasil é dar suporte à tropicalização do upgrade do biogás, apoiando mais projetos locais de engenharia, com mais conhecimento local, alta tecnologia, e alavancando a infraestrutura no país. Temos hoje uma equipe técnico comercial focada no mercado Brasileiro”, explica Carlos Catarozzo, Diretor da UBE América Latina.

E completa:

“O caminho rumo à uma economia de baixo carbono certamente demandará investimentos para reduzir ou eliminar as emissões de gás de efeito estufa. Para atingir esta meta, uma das melhores ferramentas é a transição energética. E graças à grande oferta de recursos renováveis neste mix de energias, o Brasil está à frente no tema, seguindo uma trajetória sustentável e contínua para aumentar o uso de fontes limpas, como vento, sol e bioenergia, além de investir em novas tecnologias e em fontes de energia como o hidrogênio sustentável.”

 

O portfólio de membranas da UBE segue a mesma direção, auxiliando os clientes no processo de redução/neutralidade. Esta tecnologia permite que a separação seja feita continuamente, sob condições tranquilas, com um consumo relativamente baixo de energia e sem a necessidade de aditivos. Outras vantagens são a simplicidade do processo, baixa demanda de energia, baixa manutenção, independência de mudanças na composição do biogás, e não ser necessário o uso de qualquer líquido. A tecnologia também pode ser combinada com outros processos de separação, formando um processo híbrido.

Atualmente, existem cinco processos de upgrade onde a tecnologia de separação por membranas é a principal em capacidade instalada na América do Norte e na Europa, de acordo com o Biogas World's Biomethane Market Intelligence Report de 2021.

“Mais de ¾ das plantas de biometano ativas hoje usam membranas de separação (47%); outras tecnologias empregadas para este upgrade são atrito por água (17%) e atrito químico (12%) (dados EBA Report 2022). Com estes números em mente e com a crescente necessidade de energias renováveis, a UBE acredita no futuro dos seus produtos e no aumento da demanda por membranas, globalmente”, completa Luciana Balter, Especialista em Desenvolvimento de Negócios da UBE.

 

Energias verdes são o futuro

O biometano é visto como um dos principais drivers para a mobilidade sustentável (meios de transporte). Este “combustível verde” está no centro de uma série de iniciativas ao redor do mundo e também foi priorizado pelo governo federal no Brasil no 'Metano Zero'. Este programa estimula a transformação do gás de efeito estufa em biocombustível, com financiamento de bancos públicos e de empresas privadas como a UBE.

 

“Nossa colaboração vem do suporte técnico a todos os projetos de upgrade de biogás, especialmente para o abastecimento de veículos (área de transporte). Nossa membrana permitirá aos clientes atingir 95% ou mais de conteúdo de CH4, seguindo os padrões da ANP (Agência Nacional de Petróleo). O biocombustível pode substituir o diesel em maquinários pesados usados na agricultura e na produção, além de outras aplicações”, completa Carlos Catarozzo.

 

A UBE espera apoiar as empresas o máximo possível até porque a questão climática se torna cada vez mais crítica e os países têm que atingir as metas de redução de emissões. A empresa aposta no biometano como a solução mais eficiente por reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GHG) e eliminar a necessidade de compensação de crédito de carbono.

São esperados investimentos significativos no setor de energia no Brasil e o país é um dos maiores produtores de energia limpa do planeta; globalmente, ele é o segundo maior gerador de energia hidroelétrica e o segundo maior produtor de biocombustível depois dos EUA. Neste cenário, as membranas da UBE terão um papel fundamental no suporte à indústria a partir de tecnologias inovadoras e novos investimentos.

Sobre a UBE

Fundada na cidade de Ube, província de Yamaguchi, no Japão, em 1897, a UBE mantém 11 mil colaboradores em todo o mundo e um portfólio global de produtos. A UBE possui mais de 35 anos de expertise na tecnologia de membranas para separação de gases. Em 1989, a UBE forneceu os primeiros separadores de CO2 para uma planta piloto de tratamento de biogás na Alemanha.

A UBE vem aprimorando a tecnologia ao longo dos anos e suas principais vantagens são a alta resistência a H2S, podendo operar com concentrações de até 30.000ppm, sem danos ao material. A alta resistência química, térmica e mecânica da poliimida patenteada pela UBE garante uma vida útil longa. Com uma excelente permeabilidade e seletividade, o UBE CO2 Separator garante um processo compacto de baixo CAPEX e OPEX.

Todas as membranas da UBE são fabricadas no Japão e o escritório brasileiro, localizado em São Paulo, atende a toda América Latina, com ênfase a Brasil, Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Equador.

→ Conheça mais sobre a tecnologia de membranas para a separação de gases.

Gostou do assunto?

Quer saber mais sobre o biogás no Brasil?

 Todos os direitos reservados - Portal Energia e Biogás ®.

AVISO! O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.